quinta-feira, 25 de abril de 2013

Enriqueta Martí






Enriqueta Martí i Ripoll ( Sant Feliu de Llobregat , 1868 - Barcelona , 12 de maio de 1913 era uma serial killer , seqüestradora e aliciadora de crianças. Popularmente conhecida como a vampira carrer de Ponent ou a vampira de Barcelona.

Desde muito jovem, Henrietta se mudou de sua cidade natal ( Sant Feliu de Llobregat ) para Barcelona , onde ela trabalhou como babá , mas logo começou a se prostituir , em bordéis e em lugares dedicados a esta atividade, assim como o Porto de Barcelona ou o Portal de Santa Madrona . Em 1895 se casou com um artista, um pintor chamado Joan Pujaló , mas o casamento fracassou porque, segundo Pujaló, gosto de Enriquetta para os homens, sua estranheza, visitas falsas, imprevisível e contínua para casas de má reputação. Apesar de ser casada, ela parou de freqüentar ambientes de prostituição ou o mundo dos personagens desagradáveis. O casal se reconciliaram e se separaram cerca de seis vezes. Na época da prisão de Enriquetta em 1912 o casamento tinha terminado a mais de cinco anos e não tiveram filhos.
Enriquetta levava uma vida dupla. Durante o dia, implorando e pedindo esmolas nas casas, conventos e paróquias, vestindo trapos e às vezes levando as crianças pelas mãos que os fazia passar por seus filhos. Posteriormente, as prostituia ou assassinava. Ela não tinha necessidade de pedir porque ganhava em dobro como uma cafetina e prostituta que dava lhe dinheiro suficiente para viver sem problemas. À noite, vestida com roupas extravagantes, chapéus e perucas, e foi vista no Teatre del Liceu , o Casino de la Arrabassada e outros lugares onde os senhores iam para Barcelona. É provável que nesses lugares oferecesse seus serviços como uma cafetina especializada em crianças.
Enriqueta Martí i Bueno semeou horror em Barcelona, em 1912. Raptando, assassinando e violentando crianças, para extrair sangue, tecido adiposo e da medula óssea para conseguir ingredientes para poções mágicas que vendia para seus clientes. A história de duas garotas que a policial conseguiu libertar foi noticiada pela imprensa da época com uma boa dose de curiosidade. Apesar do nome delicado de Enriqueta Martí, ela trás consigo uma das mais ferozes mentes criminosas da história Espanha. Seqüestradora, aliciadora, falsificadora, corruptora de menores, pedófila, assassina e bruxa são algumas atividades que levou esta mulher durante a sua vida, pelo povo de Barcelona era chamada como a "Vampira da Rua Ponent”. 

Tudo começou com um anúncio oficial que negava a realidade. O governador que na época era Portela Valladares tentou convencer todas as pessoas que era "completamente falso o boato que se espalhava por Barcelona sobre o desaparecimento, durante os últimos meses de crianças e jovens que, de acordo com as fofocas populares estavam sendo raptados.” Mas o boato que se espalhava pelas ruas e praças, mercados e portos era completamente verdadeiro. Muitas crianças desapareciam todos os dias nas principais cidades durante esses anos e os pais para assustar os seus filhos a fim de torná-los mais prudentes, contavam histórias sobre o "homem saco". Em fevereiro de 1912, três anos após há primeira semana trágica, a maioria dos cidadãos de Barcelona estavam preocupados com o desaparecimento de uma menina de cinco anos de idade chamada Teresinha Guitart que os detalhes e circunstâncias, foram amplamente difundidos pela imprensa. Foi o que aconteceu ao cair da tarde do dia 10 de fevereiro na Rua São Vicente. Já era quase noite quando Ana, mãe de Teresinha, ficou na rua de sua casa conversando com uma vizinha e soltou a mão da criança na certeza de que essa iria direto para sua casa. Mas isso não aconteceu. Quando o marido viu Ana chegar sem uma Teresinha, perguntou intrigado: "E o bebê?". A mulher gritou e correu por toda a rua, mas já era tarde demais, não foi encontrado qualquer vestígio da criança. O que aconteceu foi que Teresinha, em vez de ir para casa, se distraiu, e de repente sentiu uma mão que a agarrou e uma estranha mulher lhe disse coisas carinhosas: "Venha, linda, tenho doces para você”.

 A criança, animada, acreditou, mas vendo que já estava muito longe de onde sua mãe estava, tentou retornar. Já era tarde. A estranha pegou um pano preto e cobriu completamente a menina, pegou ela nos braços para abafar seus gritos e soluços e desapareceu com a sua presa nas sombras da noite. E Barcelona viveu há mais de duas semanas com um peso no coração pensando no destino que estava reservado para a infeliz Teresita Guitart. Todos os esforços da polícia foram, como sempre, zero. Seria uma vizinha intrometida, uma fofoqueira, que descobriu o paradeiro da menina desaparecida. Enriqueta foi presa pela polícia em Barcelona em 27 de fevereiro de 1912, acusada de raptar várias crianças da região. Enriqueta Martí foi presa na penitenciária para mulheres "Reina Amalia" (fechada e demolida em 1936). Suas últimas vítimas, as meninas chamado Angelita e Teresita Guitart Congost, foram resgatadas pela polícia. Angelita foi testemunha de como Enriqueta matou um menino de cinco anos chamado "Pepito" na mesa da cozinha do seu apartamento. Seu apartamento era no número 29, 1 º andar da Rua Ponent (hoje Rua Joaquim Costa). Mas ela tinha mais apartamentos em Barcelona, cerca de três, onde escondia os restos mortais de suas vítimas ou guardava eles vivos para serem posteriormente utilizados em suas poções. No apartamento da Rua Ponent os policiais encontraram vários restos humanos, frascos com sangue coagulado e gordurosos, ossos, um antigo livro de poções, e um caderno escrito por Enriqueta em catalão com receitas e poções. Foram encontrados crânios, pernas, mãos, cabelos, costelas, entre outros restos mortais nas outras casas.Em última análise feita pelas autoridades locais, 

Enriqueta foi responsável por pelo menos doze vítimas, mas acredita-se que houve mais vítimas, porque ela seqüestrou, prostituiu e matou crianças num período de vinte anos. Depois de assassinar as crianças, ela fervia os corpos de cabeça para baixo para uso como ingredientes nobres (sangue, gordura, pó de osso) nas suas caras poções do "amor", ou poções para tratar a tuberculose, sífilis e outras doenças. As pessoas ricas da cidade de Barcelona pagavam grandes quantias de dinheiro por essas poções. Além disso, os pedófilos ricos contratavam os serviços de Enriqueta, um especialista em aliciamento de crianças. Ela foi presa em 1909, com um homem muito rico e jovem, acusada de administrar um bordel de crianças. Mas os contatos com a alta sociedade de Barcelona, impediram de ser julgada pelo crime. Enriqueta Martí,foi morta um ano e três meses depois de sua prisão em fevereiro de 1912, por suas companheiras de prisão. Por causa de sua morte, nunca a sentença foi decretada. Ela foi enterrada em uma cova comum no "Cementiri del Sud-Oest" (Cemitério do Sudoeste), localizada na montanha de Montjuïc, em Barcelona.

Imagens





Teresina Guitart resgatada pela policia municipal














Enriqueta Marti-16



Weird News - Marti Enriqueta menina sequestrada pelo vampiro barcelona

Livros








Videos