segunda-feira, 15 de abril de 2013

José Luis Calva Zepeda:O Poeta Canibal




José Luis Calva Zepeda nasceu na Cidade do México em 20 de junho de 1969, filho de Stephen Zepeda e Elia Calva Téllez Camarena. Dois anos depois, seu pai morreu em circunstâncias trágicas. Desde então, José Luis foi abusado psicologicamente por sua mãe. Em 1976, um episódio de abuso sexual o marcou. Logo fugiu de casa e viveu muito tempo na rua, entre as crianças que usavam drogas e se prostituia por algumas moedas. Calva Zepeda rapidamente aprendeu a odiar e desprezar as mulheres. Com o advento da adolescência e da descoberta de sua bissexualidade, a mistura entre atração e desprezo fez crise em sua psique.


Calva Zepeda foi estudar o ensino secundário. Quando finalmente se casou, foi pai de duas filhas. Seu casamento durou sete anos, no final do qual o divórcio era necessário. Sozinho novamente, Calva Zepeda refugiou-se em escrever: poemas e histórias que refletem seu estado de espírito e que denunciava sua visão de mundo distorcida.

Em 1993, ele foi preso por carregar uma faca, ficou preso pouco tempo. Conheceu Juan Carlos Perez Monroy, começou um relacionamento que sobreviveu tempo suficiente. A paixão não extinguiu sua atração homossexual por mulheres: ele viveu dois mundos com facilidade e prazer. Ele, então, começou a carreira de ator.

Também publicou alguns livros de sua autoria, nesta fase surgiu os titulos Canibais, Instintos Prostituindo a minha alma, Réquiem para uma alma perdida, Krish, O assistente de aprendiz, Antigua; Walking Ando a noite. Também escreveu histórias de terror para cinema e teatro. Seus poemas foram assinados com o pseudônimo de "Walker", "Um dia todos terão de seguir a Walker", diz um fragmento de uma de suas obras.

Escreveu 10 romances, oito peças de teatro e de 800 poemas. No início de um de seus volumes de uma linha indica: "Dedico estas palavras para a maior criação do universo (que sou eu)."

Calva Zepeda vendia seus poemas em folhas soltas ou folhetos que oferecia nas ruas e cafés e nas colônias de Roma e Condesa na Cidade do México e no Popular Tianguis.

Em 2004, ele conheceu Veronica Consuelo Martinez Casarrubia, uma garota com quem ele mantinha um relacionamento amoroso.

Mas as coisas não estavam bem. A mãe de Verônica se opôs à relação, ela disse à filha que o homem "não combinava com ela." Mas ela nunca ouviu o conselho da mãe.

No entanto, os problemas destruiu o casal e, nesse mesmo ano, Calva Zepeda começou sua carreira criminosa: Assassinou Veronica e a desmembrou. Ele deixou o cadáver desmembrado em Chimalhuacan, no Estado do México. A polícia a encontrou em 30 de abril do mesmo ano. Sua mãe, Judith Casarrubia, apresentou uma queixa contra Calva Zepeda, que se tornou um fugitivo da justiça.

Quando se mudou para a Rua 17 n º 198, Colonia Guerrero, transformou sua casa em um cenário horrivel: tinha facas, livros de bruxaria, velas e textos de terror, muitos deles escritos por sua própria mão. Calva Zepeda praticava feitiçaria, usava cocaína e se tornou um alcoólatra e fumante excessivo.

Em seu guarda roupa mantinha uma roupa com um sutiã,simulando dois seios em alumínio também tinha máscaras multicoloridas adequadas para o Carnaval. Vários de seus poemas falavam sobre a sua obsessão em se tornar uma mãe e mantinha em um quarto com uma cama e roupas de bebê que sua mãe lhe deu, em 1997, para uma de suas netas

De acordo com algumas fontes não oficiais em 2007 Calva matou e desmembrou uma prostituta conhecida como "A Jarocha" ou "Coastal". Desta vez, ele deixou o cadáver em Tlatelolco, o corpo foi encontrado em 9 de abril. No entanto, o crime atribuído Calva Zepeda ainda não foi confirmado.

Os vizinhos alegaram que era tranquilo, calmo, elegante e até mesmo "galante". Seu apartamento sempre ia com mulheres diferentes. A portaria de seu prédio passou a afirmar: "nunca se comportou estranhamente, não, sabia que ele gostava de cantar em um karaokê". Os vizinhos de Zepeda informaram que em seu apartamento tinha mulheres de diferentes idades que ele conhecia no café onde trabalhava, na Avenida Guerrero.

Sua relação com Alejandra Galeana Garavito durou várias semanas. Ela tinha trinta anos, mãe solteira, estava apaixonada por um homem que escrevia poemas de amor e juras de amor, e ela sem suspeitar que ele era um  psicopata. Ela era uma jovem séria, que não socializava muito. Alejandra trabalhava na Farmácia Genéricos na esquina da Guerrero com Orozco e Berra. Ao sair, ela andava quatro quarteirões ao longo do Eixo 1 e Zepeda a acompanhava. Apegada em computadores, Alejandra Galeana tinha a foto dele. Mantinha em seu quarto as cartas e poemas que ele escreveu para ela.Uma dessas cartas diz:

"É a ausência de seu corpo que eu preciso comigo.
O desejo de pegá-lo entre o meu travesseiro e sonhos.
São seus olhos que me pegam como caçador de lança ".

Em sua "Semente Germinal" o poema diz:

"Obrigado por fazer parte deste universo,
o seu, o meu, o nosso.
 de origem para a evolução. "

Em 5 de outubro, Alejandra Galeana saiu de casa para nunca mais voltar; parou de responder aos telefonemas de sua mãe, que também discordou com seu relacionamento com Calva Zepeda.

Naquela mesma noite, Calva Zepeda assassinou sua namorada. Mas desta vez foi mais longe. Após o assassinato, Calva Zepeda a desmembrou procedeu como Veronica Consuelo, usando a banheira. Não satisfeito com isso, decidiu manter o corpo em seu apartamento. Arrancou perna e braço direito, tirou a pele e a carne e, em seguida, colocou os na geladeira. Ele colocou alguns ossos em uma caixa de cereal. O tronco do corpo de sua namorada, colocou no armário.

Na segunda-feira, 8 de outubro Calva Zepeda começou a cozinhar: os ingredientes principais eram a mão e cortes de carne do braço de Alejandra . Ferveu água e preparou um caldo muito grosso, uma vez que a carne foi cozida, acrescentei limão como tempero. Ele serviu os pedaços de carne a sua mesa com mais limão em um prato. Mas não esperava que seus vizinhos tinham notado o mau cheiro do corpo em decomposição, que vinha de seu apartamento. Eles chamaram a polícia, que veio ver o que estava acontecendo.

Quando os policiais bateram à sua porta, Calva Zepeda sabia que ele estava perdido. Deixou os entrar, mas, em seguida, tentou fugir saltando da varanda de seu apartamento, apesar da queda ainda podia correr, mas foi atingido por um táxi. A polícia prendeu-o e, em seguida, vasculharam a casa, eles descobriram que os encheu de horror e se tornou a sensacional notícia do ano no México.

Paramédicos vieram para prestar socorro, mas sua condição justifica a sua transferência para uma clínica. Ele foi levado para o Hospital Xoco, onde permaneceu sob custódia. Enquanto ele estava lá, disse a um criminologista: "De certa forma, agradeço a polícia,assim não causo nenhum dano. Já quero que acabe esse inferno.".

Ouvindo o rádio a notícia da prisão, Judith Casarrubia foi imediatamente para a policia para avisar que ele era o suposto assassino de sua filha, Veronica Consuelo.

Os meios de comunicação chamado de "O Canibal do Guerreiro", em referência ao bairro onde viveu e onde cometeu seus crimes. Outros o chamavam de "O Poeta Cannibal". Ele se declarou "admirador de Hannibal Lecter", o personagem dos romances de Thomas Harris, que mais tarde se tornaram filmes.

Em uma parede de seu apartamento, tinha uma imagem de Anthony Hopkins no papel do assassino notório no filme O Silêncio dos Inocentes. Ainda assim, ele sempre negou necrofilia até o final e sempre disse que ele não tinha comido o corpo de sua namorada, porém, quem teria, então, cozidos as partes do corpo?

Em 22 de outubro, a polícia prendeu seu amante e suposto cúmplice, Juan Carlos Monroy Perez. Em 24 de outubro, Calva Zepeda foi levado para a prisão de Leste.

Perante o juiz disse ser um escritor católico e ganhe até 400 dólares por dia com a venda de seus textos. "Eu não sou o monstro que foi dito, eu sou uma pessoa que cometeu um erro, estou arrependido e tenho o desejo de viver, não importa se eu vou ficar aqui 50 anos trancado", disse ele.

Seu advogado foi Humberto Guerrero Plata, que afirmou que "ele estava doente de suas faculdades mentais." Nestes termos, Calva Zepeda se recusou a depor.

Além de acusá-lo de assassinato de três mulheres, foram levantadas acusações de profanação de cadáveres e crimes contra a paz dos mortos. Da mesma forma, as autoridades tentaram relacionar os feminicídios na zona de fronteira entre o Estado do México e do Distrito Federal, onde dezenas de mulheres mutiladas apareceram, alguns de cujos corpos, como pernas, braços e torsos, nunca foram localizados.

Na prisão, Calva Zepeda começou a escrever uma nova peça: Cannibal, o Sedutor Poeta, que ficou inacabado. Um fragmento: "Você tem à sua frente apenas duas opções: viver ou morrer. Morrer é fácil e não necessita parar de respirar. Mas para viver é preciso morrer ".

Neste manuscrito, Calva Zepeda conta a história de um bebê recém-nascido que é abandonado por sua mãe e resgatada por um cão vadio. Mais tarde, o personagem é criado por uma bibliotecária, que coloca o nome de Dante e ensinou a ler e escrever, incutindo o amor pela poesia. A partir daí, Dante comete seu primeiro crime, deixando suas vítimas (todas mulheres) um poema escrito em sua pele. No final das folhas aparece uma linha que diz: "Nota: Não jogue estas folhas, protegidos por direitos de autor."

No hospital e na prisão foi visitado por uma jovem, Dolores Mendoza (que outras versões identificaram na como "Juana"), sua nova namorada, a quem ela disse à imprensa: "Eu nunca conheci um canibal, só um bom homem. "

Mas a história do assassinato teve um final estranho. Após vários dias dizendo a sua família que os outros presos "queria matá-lo e pediam-lhe dinheiro", Calva Zepeda em 11 de dezembro aparentemente comete suicídio. Encontrado enforcado com um cinto em sua cela. Sua morte ocorreu entre 6:00 - 6:30 horas. Ele foi encontrado as 7:00, quando se fazia uma chamada. Apesar do fato de que ele tinha que ser vigiado 24 horas por dia.

Sua irmã, Claudia Calva Zepeda, disse que depois de sua morte: "Agora eu quero justiça para o canibal, para esse canibal que muito foi acusado, porque ele não se matou ... ele tinha muito animo e sabia que ia ser 50 anos aqui (na prisão), mas não deixaram, o ameaçaram e cumprirão a ameaça. "

Calva Zepeda deixou duas notas póstumas. As cartas escritas para sua mãe dizendo: "Eu não sei o que passou pela minha vida, mas eu perdi, eu perdi tudo o que tinha e o que faria. Deixei de lado suas palavras de amor e, ainda mais, suas noites em claro cuidando de mim. Seus conselhos não funcionaram e, para mim, eu era invencível. Antes eu sabia que eu estava cercado por pessoas estranhas, que só vieram a me machucar mais do que hoje. Hoje, aqui, por trás desses bares que me aprisionam, pelo silêncio desses corredores frios e longos, eu digo com o coração nas mãos: Eu não vou deixar você e, acima de tudo, perdoa-me, mamãe.

"Sua segunda nota, declarou:". estou determinado a ir, não posso suportar o peso da minha miséria, eu tentei me perder no caminho falso e só tenho a afundar, eu só peço que você mantenha minhas cartas, pois esta é a única coisa boa que eu fiz na vida, eu não posso escrever mais, e eu sinto muito pela tão grande dor que causei. "

No funeral vieram as famílias das vítimas, pedindo para ver o corpo no caixão para se certificar de que ele estava morto. "Nós queremos ver quem está morto e se certificar de que não vai machucar ninguém", disseram. Sua irmã, Claudia, ajoelhou-se diante deles e pediu desculpas pelos crimes de seu irmão.

José Luis Calva Zepeda, o"Cannibal do guerreiro", foi enterrado na Cidade do México em 12 de dezembro de 2007, dia da Virgem de Guadalupe, no panteão San Nicolas, em Iztapalapa, às 14:30 . No funeral compareceram a irmã Claudia, mas não sua mãe, nem qualquer sacerdote. No túmulo, coberto de flores, estava uma coroa colocada pela família.

Com o enterro terminou a história de um dos mais estranhos assassinos da história mexicana. Sua herança literária é considerada pobre por muitos e grande para outros, inclui uma frase que poderia servir como seu epitáfio: "Vamos entrar no mundo fascinante do comportamento humano e olhar um toque estranho dentro de cada um de nós. Só então vamos chegar ao conhecimento de nós mesmos. "


Imagens






José Luis Calva Zepeda com sua noiva, Verónica Consuelo Martínez Casarrubia


Verónica Consuelo Martínez Casarrubia
O cadáver de Verónica Consuelo









Judith Casarrubia, mãe de Verónica Consuelo, mostra uma das cartas de Zepeda 
Berço no apartamento de Zepeda
O cadáver de Alejandra Galeana



A mãe de Alejandra Galeana
Apartamento de Zepeda



Zepeda atendido por paramédicos depois de ser atropelado pelo táxi















Caricatura sobre Calva Zepeda
Verónica, sua ex noiva



Claudia Calva Zepeda ao receber a noticia do suicidio de seu irmão 








Livro




Videos





Filmes